Histórico regional de atuação da Faculdade de Educação Sul do Piauí - FACESP

A criação da Faculdade de Educação Sul do Piauí (FACESP) caracteriza-se como uma instituição privada com fins lucrativos que tem seu projeto voltado para a promoção de competências e habilidades humanas necessárias as demandas do mercado de trabalho e mundo social. Considera que a educação adquire um papel relevante em virtude das transformações aceleradas de natureza científica e técnica que afetam diretamente o desenvolvimento socioeconômico e cultural da região e do país, o que cria a necessidade de redefinição e aperfeiçoamento de suas funções no que concerne à formação e capacitação permanente de profissionais altamente qualificados, necessários aos novos caminhos da produção científica, da escolaridade nacional que sustenta as mudanças sociais e produtivas a serviços do desenvolvimento.

A formação e o aperfeiçoamento profissional implicam em estabelecer relações e inter-relações adequadas com os demais níveis do sistema educativo, com o mundo do trabalho e com a infraestrutura que promove o desenvolvimento científico e tecnológico. Constitui, por isso mesmo, um elemento de primeira ordem para as relações com o Estado, especialmente as que se referem à responsabilidade de garantir que o ensino cumpra suas finalidades para o desenvolvimento da Região em que está inserida, no caso a Região Nordeste, o Piauí, a Região Nordeste e mais precisamente a Região sul deste Estado.

A Faculdade de Educação Sul do Piauí (FACESP) insere-se na realidade do Estado do Piauí que tem uma área de 251.529 Km² e uma população de 3.145.325 habitantes (IBGE 2010), localiza-se no lado oeste da Região Nordeste, limita-se ao norte com o oceano atlântico, ao sul com os Estados da Bahia e Tocantins, a leste com o Ceará e Pernambuco e a oeste com o Maranhão. O Estado do Piauí ocupa uma posição estratégica entre o Nordeste e Norte do País, numa área de transição conhecida como Meio Norte.

A vegetação, com predominância na região sul e sudoeste, é representada pelos cerrados, ao centro se acentua uma vegetação indefinida de cerrados e caatinga, bem como outros tipos sujeitos a períodos de chuvas e estiagem. No leste e sudeste a incidência maior de vegetação é do tipo caatinga. Ao norte predomina, principalmente na margem do rio Parnaíba, a vegetação de palmeiras, representada, em maior número, pelo babaçu.

O clima é quente e úmido nas regiões norte, sul e sudoeste e semi-árido no leste, centro-sul e sudeste. O clima do Estado é definido por duas estações: o período chuvoso, que se inicia no sul no mês de novembro estendendo-se até março, no centro e norte, as chuvas acontecem em dezembro prolongando-se até o mês de abril, isto tendo como parâmetros os períodos normais de chuva.

O período de verão ou de seca acontece de abril a novembro, sendo em maior intensidade nas regiões sul, sudeste e sudoeste do Estado.

O principal setor econômico do Piauí é o de serviços, que responde por 73,54% de seu Produto Interno Bruto (PIB), estimado em 12.790 bilhões de reais. Entre os produtos agrícolas destacam-se a soja, o milho, o arroz, o feijão e o algodão. A produtividade agrícola é uma das mais altas do país. Na safra 2010, a área plantada dos principais produtos atingiu cerca de 925.290 hectares. As maiores produções são as de soja (819.258t), milho (321.390t) e arroz (224.292t). O Estado também possui grande quantidade de minerais – como: cobre, calcário, cristais de rocha, talco, fosfato, diamante, enxofre, manganês, argilas nobres, cerâmica vermelha, granito e mármore – e fontes de águas minerais em várias áreas do território. O setor mineral tende a ganhar cada vez mais destaque com a implantação da Nova Ferrovia Transnordestina, cujas obras estão em execução.

O Piauí apresenta uma densidade demográfica de 12,50 habitantes / Km² (IBGE 2010) e um crescimento demográfico de 9,18% em sua população, no período 2.000 a 2.010 (IBGE, 2010). Os números da PNAD 2008 mostram que 69,2% dos domicílios piauienses têm acesso à rede de água, 59,5% têm acesso à rede de esgoto e que 56,2% são atendidos por coleta de lixo.

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Piauí é de 0,703, considerando que no Brasil o IDH é de 0,794 (PNUD 2005). Vale ressaltar que algumas cidades como Teresina, apresenta um IDH bastante elevado 0,767 (PNUD 2005) quando comparado com outras cidades do Estado.

É neste Estado, descrito com características tão particulares e marcantes, que a Faculdade de Educação Sul do Piauí (FACESP) busca ser credenciada e implantar os seus Cursos de Administração, Pedagogia comprometidos em atender às necessidades regionais.

O Plano de Desenvolvimento Econômico do Estado, proposto pelo governo, se compromete com a implantação de uma política econômica para a geração de emprego e renda. Em todos os setores abrem-se espaço para a absorção no mercado de trabalho de profissionais formados pelas instituições de ensino superior da região, que deverão atuar de maneira a viabilizar um projeto de desenvolvimento comprometido com a construção do conhecimento e a busca de soluções de problemas do mundo contemporâneo, valorizando o ser humano, a vida, a cultura e o saber. Em todos os setores registra-se a importância social dos cursos de educação superior.

O Estado do Piauí vem, nos últimos anos, experimentando grande crescimento nos investimentos, governamentais e privados, para o desenvolvimento produtivo dos cerrados piauienses, onde a produção agrícola tem atraído produtores das regiões centro-oeste e sul do Brasil, oriundos, principalmente, dos Estados de Goiás, do Mato Grosso, do Paraná e do Rio Grande do Sul e, com eles, seus familiares, muitos destes, desejosos de desenvolvimento de estudos técnicos e científicos que só instituições de ensino superior como a Faculdade de Educação Sul do Piauí pode oferecer.

Na Região sul do Piauí, onde se insere a cidade de São João do Piauí, talvez mais do que em qualquer outra região, ha grande carência de profissionais portadores de cursos superiores, soma-se à necessidade de profissionais formados e qualificados, identificados e comprometidos com a região, apresentando-se, portanto, oportunidade estratégica de inovação. A criação de cursos superiores, com formação ampla e integradora, na Faculdade de Educação Sul do Piauí (FACESP), vem colaborar com o Estado e com a comunidade, tanto pela sua condição de Faculdade, como pela condição de importante instrumento promotor de novos conhecimentos e saberes articulados com o processo de desenvolvimento e integração regional.

Tais elementos oferecem as justificativas necessárias para que a Faculdade de Educação Sul do Piauí se lance neste compromisso educacional, social e empresarial de fortalecer a construção de uma instituição que possa proporcionar a boa formação acadêmica, técnica e científica para profissionais dos cursos de Administração e Pedagogia são de grande importância para a confirmação e realização da tendência de crescimento e desenvolvimento econômico e produtivo para esta região.

Com esta visão e um olhar para o futuro é que a Faculdade de Educação Sul do Piauí (FACESP), objetiva oferecer cursos superiores contemporâneos, que atendam às exigências de uma sociedade em expansão, contribuindo para o aprimoramento profissional da sociedade piauiense. Desta forma busca oferecer cursos que aliem a qualificação científica, a excelência técnica, o comprometimento social fundamentados nos preceitos da ética e o desenvolvimento tecnológico, numa visão realista e consciente, considerando o meio e valorizando o indivíduo nos seus múltiplos aspectos.

Neste contexto a FACESP pretende instalar-se na cidade de São João do Piauí. Localiza-se na região sudeste a aproximadamente 500 km da capital. É a 26ª maior cidade do Piauí, com 19.553 habitantes. Está ligada aos municípios de Coronel José Dias, João Costa, Nova Santa Rita, Pedro Laurentino, Campo Alegre do Fidalgo, Capitão Gervásio Oliveira, Ribeira do Piauí formando uma região que chega a 46.941 de habitantes.

São João do Piauí tem sua economia concentrada na agricultura familiar, na pecuária e mais recentemente no comércio, sendo assim uma das cidades mais importantes do sul do estado. É lá onde se encontra uma das maiores subestações de energia do país, bem como a grande Barragem do Jenipapo, recentemente estruturada para receber turistas, além de fazer parte dos municípios que abrigam o Parque Nacional Serra da Capivara, um dos mais importantes sítios arqueológicos do mundo, sendo reconhecido pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade.